Goiá - Músicas Letra T - Rádio Goiá

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Carrossel da vida ( Chitãozinho & Xororó )
Goiá e Geraldo Meireles

Perdido nos caminhos do planeta Terra
Pontinho obscuro ante a imensidão
Um ser humano sofre por não conseguir
Atravessar a ponte da recordação
Barreira caprichosa que de vagarinho
Envolve para sempre todos os martais
E eu sendo um deles não fugi à regra
Das malhas da saudade já não saio mais
São seis horas o Sol se esconde o mundo se acalma
Revejo o passado com os olhos da alma
De novo vibrando com tudo que fiz
Longos anos que se retrocedem através dos meses
Diz que recordar é sofrer duas vezes
Deixe que eu sofra para ser feliz
O mundo colorido dos meus 15 anos
Abrindo seus caminhos à quem crê em Deus
A idéia repentina de já ser adulto
A lágrima sentida do primeiro adeus
A grande amargura se manifestando
No último abraço do primeiro amor
E o carrossel da vida do menino grande
Se perde para sempre num além sem cor
Oh! infância trilha luminosa no céu da saudade
Restos pequeninos de felicidades
Flutuando sempre na imaginação
Verdes campos, linda borboletas e milhões de flores
Juventude alegre, sonhos multicores
Sobre a tela branca do meu coração

Tipos populares de minha terra
Goiá e Selma A. Lopes

Refrâo:
As almas simples da cidade onde nascí,                                                                                              Ofereço esta homenagem, pois jamais as esquecí.
Quanta saudade das festanças de Janeiro,
Da sanfona pé-de-bode, do amigo Tõe Barreiro ...

Maria Luca, Madalena e Tuniquinho,
Limiro, João Baianinho, Gustavinho Pescador;
As Mutuquinhas e a Maria Berreira,
Lembro da Rita Pereira, me tratava de Doutor;
O Maroveu, garimpeiro intinerante,
Que sonhava com um diamante, pra ganhar um grande amor.
Falado:

"Olá, Maroveu, como vai o garimpo, cê já bamburrou?
Ainda não, mas eu vô pegá um diamante e comprá um tomove,
E passá perto da minha namorada e fazê assim,
Piripipi, Poropopó ... "
Cantado:

Lá nos Pereiras, numa festa que se fez,
Foi esta a primeira vez, que o Zé Arruda dançou;
Na outra noite, voltou pra dançar de novo,
E invés de ver o povo só silêncio encontrou;
Desesperado, mas fingindo não ser nada,
Com aquela voz gozada, na janela ele falou:
Falado:

"Cumpade Bastião, eu vortei aqui hoje pa dançá ota vez,
mas tá tudo mundo durmindo aí, pode fica de quitim aí
imbaixo das cuberta, num pricisa se incomodá e levantá
nem nada não, pode ficá de quitim aí ...
Cumpade Bastião, eu vortei aqui hoje pa dançá ota vez,
mas cê tá tudo mundo durmindo aí, num pricisa se levantá,
nem se incomodá, nem nada não, pode ficá aí de quitim
imbaixo das cuberta ...
Cumpade Bastião! ... "
Cantado:

Quatrocentão, Meio Metro e Aristote,
Que bebia um pipote de caninha de uma vez;
Lá na corrida, João Bodé era famoso,
Por ser muito caprichoso ao falar o português,
Em um comício de campanha pra Prefeito,
Mais ou menos desse jeito, um discurso ele fez:
Falado:
"Amigos que estudam a Sintaxe,
Didática, Metódica e Prática;
O Paroxítono eleva a Gramática,
Principalmente na Tesidogmática,
Porque prevalece a boa Pregmática.
Observemos a inflorescência do vergel universal:
Obliguliflóreo, Dicotiledônea,
Cluvaginácio, Rodiculácea,
Qualquer elitroxilácea provoca a melifluidade,
E o relés do Esternoclidomastódeo. "
Cantado:

Segura o taco, óh querida Tia Rita,
O fogo apaga e nós num pita, neste alegre recordar;
Em minha volta ao começo ao fim do ano,
Zé Calixto e Tião Caetano, vão comigo passear,
Naquela casa, tão modesta e pequenina,
Onde a Dona Brazilina, certamente irá falar ...
Falado:

"- Bom dia, Dona Brazilina!
- Bom dia, cê pode fazê isso cumigo não, Gerson,
Fica me remedano na rádio, dexa esse tem pá lá sô ...
Oia, sempe que cê vié em Comandel, dá pulim qui em casa,
Cê sabe, a casa é pobe, mas um cafezim, graça a Deus, tem pocê.
- Ah, eu virei sim, mas e o seu amor, ele não vai ficar com ciumes?
- Ah, vai tombano sô, trém bobo, num gosto disso não,
Contá tudo pa tuliça. "

Cantado:

Joana Padeira, o Chapu e o Antero,
Quanto bem que eu lhes quero, não esqueço de ninguém;
E terminando esta simples homenagem,
Vou contar uma passagem, de outro ser que quero bem;
Um certo dia, quando voltava da escola,
Eu ouví o velho Lola, conversando com alguém ...
Falado:

"Foi lá na casa do Perique ...
Tava lá o Lola, encostado na parede,
quando passou uma senhorita, e falou:
- Olá Lola, você está bom?
- Ah ... eu tô e ocê?
- Você está contente hoje, não?
- Ah ... eu tô e ocê?
- Óh, mas que elegância, tá de calça nova, em ! ...
- Ah ... eu tô e ocê, tá boa?"
Cantado:

Quanta saudade das festanças de Janeiro,
Da sanfona pé-de-bode, do amigo

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal