Homenagem ao Goiá - Rádio Goiá

Saudade de Minha Terra
Sua Vida, Seus Amores, Suas Composições, Sua História...
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Homenagem a Poeta Goiá

Clayton Aguiar

A água até o joelho, o corpo todo curvado,
A peneira entre as mãos e o peito apaixonado.
A esperança constante, na busca de diamante,
e  a vida vai melhorar.

O sol o vento e a chuva curtiam o corpo cansado,
E com as doses da pura, ajudavam a descansar,
Mas quis a sorte da vida que a sua terra querida,
Tiveste que abandonar.

Foste daqui pra lá: cidade de pedra e aço,
O mundo a desbravar.

Levando como bagagem, dentro do peito guardado,
A dona dos olhos verdes e o coração quebrado.
Poeta de alma simples, de talento e inspiração.
Aceite esta homenagem, tu que a tantas cantaste,
Nas rimas e na viola,
Hoje distante está só, mas tenhas poeta amigo,
O meu reconhecimento e de todos de Coró.

Morandi e Raul de Freitas Carvalho

Nas expressôes de sentimentos de um poeta,
Sinto vibrar, multidões de corações...
São expressôes de uma pureza tão discreta,
Sâo estrofes bem corretas, verdadeiras emoçôes.
Hoje o poeta já escreveu tantas estrofes,
Algums delas de sua vida verdadeira,
Cujas estrofes deram-lhe grande vitória,
Revelando-se na história da poesia brasileira,
Uma melôdica canção por ele escrita.
Com seu espírito voltado a sua infância,
Não há um caboclo que até hoje não reflita,
Estes versinhos que  não me sai da lembrança.
Jmais verei a minha terra pequenina,
Porque sei que em cada esquina,
Só teria desenganos...

Antes, prém, ao despertar suas carreira,
Se revelou nuna canção bem conhecida,
Tenho certeza que o brasil todo conhece,
Que jamais alguém esquece esta página querida.

Amargurado pela dor de uma saudade,
Fui ver de novo o recanto onde nasci,
No coração de todos nós tem um passado,
Horas floridas como rosas , horas de dor...
Um dos seus versos, por ele foi declarado,
Com sentimentos seus queixumes de amor,
Hoje é o dia mais triste da vida.

Eu sou homem, mas quero chorar...
Das mais singelas homenagens ao seu berço,
Existe uma que a poesia se encerra,
Com expressões de uma homenagem carinhosa,
Diz então, hoje a famosa, Saudade de minha terra:

De que me adianta, viver na cidade,
Se a felicidade não me acompanhar,
Adeus paulistinha do meu coração,
Lá pro meu sertão eu quero voltar,
Este poeta a quem fiz estes versinhos,
O sertanejo jamais o esquecerá,
Porque seu nome deixarei neste cantinho,
Chama-se Gerson Coutinho da Silva,
Nosso popular Goiá.

Acróstico em homenagem ao Goiá quando de seu aniversário

G entil, humilde e meiga criatura
E strela candente no céu da vida
R aio de luz nas trevas da amargura
S ombra protetora que dá quarida
Ó sculo carinhoso que traz felicidade
N inho aconchegante de paz e bondade
C anto de aves ao sol nascente
O ndas serenas na praia mansa
Ú nico poeta de vossa gente
T radutor de sentimentos em bonança
I nterprete da alegria, tristeza, saudade,
N ume da pátria, da terra, do sertão
H omem de pejo, inimigo da maldade
O ratório da fé, da lealdade, do perdão
D eleitável em qualquer ambiente
A migo de ouro de toda gente
S ímbolo da cultura, do amor, da verdade
I magem querida do nosso interior
L uar cálido que ilumina a alma
V ento suave que refresca e acalma
A migo, irmão, companheiro, amor

Maria Abadia
Uberlândia , 09/01/79
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal